Páginas

Por que não desistir do cônjuge que já desistiu de você?

As histórias são sempre as mesmas. Só mudam as personagens. Toca o telefone e uma voz, do outro lado da linha, com ar de desespero, começa a narrar tudo o que lhe está acontecendo. Geralmente as palavras começam meio cambaleantes, trêmulas, chorosas. Ao final da narrativa, o enredo se repete. “Pastor, meu marido me repudiou, está com outra mulher e diz que nunca mais voltará para casa”. Sempre finalizo a conversa deixando uma esperança: peço para a pessoa não desistir, em hipótese alguma, do seu cônjuge, especialmente em uma situação em que ele mais precisa. Não é uma esperança vazia, mas um exercício de fé, uma promessa que DEUS tem confirmado dia após dia através do nosso Ministério.

Talvez, um leitor menos experiente se pergunte o que leva uma pessoa cristã a não desistir do seu primeiro casamento e do marido da sua mocidade, quando este já a (o) repudiou e vive novas aventuras amorosas. A resposta, procurarei desenvolvê-la no decorrer do texto.

Primeiramente, não conheço outra instituição tão atacada e desejada pelo diabo como a família, criada por DEUS a partir dos casamentos lícitos (o primeiro do homem e da mulher). Essa assertiva é tão verdade que, hoje em dia, é difícil encontrarmos casais que estão juntos e em primeiro casamento. Quase todos já degringolaram, perderam o seu rumo, desajustaram-se na conjuntura social. Tudo isso é muito natural entre pessoas que não conhecem a DEUS e, por consequência, não possuem temor algum dos Seus mandamentos. Era para a chamada igreja de CRISTO aqui na terra, constituída de pessoas separadas do mundo (e por isso são chamadas santas), chegar ao século XXI em uma condição totalmente oposta à realidade do mundo. As pessoas que iam sendo agregadas a essa igreja, através do evangelismo, naturalmente, chegariam ao Corpo de CRISTO com suas vidas e situações totalmente desajustadas pelo mundo e pelos demônios, frutos do pecado, da desobediência. Mas não permaneceriam do mesmo jeito. Infelizmente não é isso que acontece. Pessoas do mundo e pessoas da igreja hoje são bem semelhantes, especialmente na área familiar. Há denominações iguais aos atores de novelas e artistas de televisão, em segundo, terceiro, quarto e até quinto casamento. Ou seja, muitos templos viraram cenários artísticos adaptados.

Fui apresentado, há muitos anos, a um Evangelho e a um DEUS que transforma, que converte, que muda radicalmente corações, mentes e caráter. Falaram-me de um DEUS, cuja presença do Seu Espírito juntamente com um coração quebrantado encorajariam as pessoas a procurarem essa mudança radical em suas vidas e um conserto imediato. Descobri, com um tempo, que tudo depende de quem te apresentou o Evangelho e como ele foi apresentado a você. Disso depende a qualidade da nossa caminhada cristã. Há pessoas, dizendo-se de DEUS, vendendo um evangelho barato, que se adquire em qualquer esquina e sem nenhum esforço. Elas pregam o que lhes é conveniente. Estão em busca de quantidade, número, de atrair fama e riquezas para si. Na Epístola aos Gálatas, Paulo chamou essas pessoas de anátema (leia Gálatas 1:8-9).

Cheguei a CRISTO com uma vida totalmente arruinada, destruída por uma série de pecados, onde o adultério ganhava destaque. Mas isso não significaria que eu deveria viver louvando e servindo a DEUS na mesma realidade que tinha anteriormente. Fui convencido que deveria mudar, e DEUS atuou em todas as áreas da minha vida, por infinita misericórdia e amor, convertendo-me de verdade. Fui liberto de prazeres que, aos olhos de muitas pessoas, eram “impossíveis” saírem da minha trajetória. Mas saíram porque DEUS me amou de maneira especial, porque ELE nunca desistiu de mim, ao permitir certas situações na minha vida, ao me constranger, ao me mostrar que para mim só haveria um ÚNICO caminho, que me faria chegar à glória eterna: arrependendo-me, abandonando tudo, começando uma vida diferente e perseverando em santidade. Perseverar é ter um coração desejoso de agradar a DEUS, descobrir o que é certo e errado e buscar a primeira opção. É como ensinou o apóstolo Paulo à igreja em Éfeso: “Quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito do vosso entendimento, e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros. Irai-vos e não pequeis: não se ponha o sol sobre a sua ira; e não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava não furte mais (…)” (Efésios 4:22-28). Para ser de CRISTO verdadeiramente um homem, escravo do pecado, tem que admitir para si mesmo e para DEUS, que vive na mentira, entregue as concupiscências do engano. Quando ele faz isso, DEUS o revela toda a Verdade e promove profundas transformações nas três áreas essenciais do seu ser: mente, coração e caráter. Mas enquanto ele achar que a mentira é verdade, a cada dia mais será entregue à escravidão e aos caminhos maus: “Bem-aventurado o homem que continuamente teme ao Senhor, mas o que endurece o seu coração virá a cair no mal” (Provérbios 28:14).

Se, como igreja do SENHOR, observamos que uma pessoa anda nos caminhos de morte, o que devemos fazer em relação a ela? Ignorá-la? Desprezá-la? Ou amá-la de uma forma diferente e especial, orando dia e noite pela vida dela? E se essa pessoa perdida for o seu marido ou a sua esposa que, em dado momento, abandonou a casa e foi viver pelo mundo segundo os deleites carnais? Reflita apenas um pouco. O que JESUS manda nós, como Sua igreja aqui na terra, fazermos? DEUS já te disse alguma vez que algo ou alguém não tem jeito? ELE já decretou essa sentença? É claro que não.

Encontro então, com isso, o princípio maior do cristianismo: o de amar alguém incondicionalmente, mesmo quando a pessoa não faça nada por merecer esse amor. O Amor de CRISTO é incondicional, sem interesses. Impossível ser de CRISTO sem viver esse Amor.


Agora, outra pergunta: há limites para amar alguém dessa maneira, ainda que a outra pessoa diga que não quer mais, que vai viver a vida segundo os prazeres do mundo? O fato de um cônjuge dizer que não quer mais é motivo de desistirmos dele?

Quantas vezes pedi ao SENHOR para morrer? Quantas vezes pedi ao SENHOR desistir de mim porque não encontrava forças para agradá-LO? Quantas vezes, de forma proposital, entreguei meu corpo e minha alma ao deleite dos demônios, e mesmo assim, o SENHOR se compadeceu de mim? Embora todos ao meu redor já tivessem desistido, tivessem me feito acreditar que eu não tinha mais jeito, mesmo assim, DEUS não desistiu. É com essa visão que a igreja do SENHOR deve caminhar. O meu testemunho não é o único do mundo. Todas as pessoas que um dia foram resgatadas pelo SENHOR, assim foram porque o SENHOR DEUS nunca desistiu de nenhuma delas, segundo os Seus propósitos. Vejo em Paulo um grande exemplo e motivo para vivermos a são doutrina e esse chamado maravilhoso: “Pois eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, porque persegui a igreja de Deus. Mas pela graça de DEUS sou o que sou, e a sua graça para comigo não foi vã (…)” (1 Coríntios 15:9-10). Nos dias de hoje, talvez ninguém se atrevesse a apresentar o Evangelho de CRISTO a Saulo, pois ele tinha um coração muito duro, mas muito duro. Ele odiava crente. Essa história de novo nascimento não passava de um conto da carochinha. Mas, ainda assim, o SENHOR, no tempo determinado, foi ao seu encontro e o libertou. E não só o libertou, o salvou. E não só o salvou, mas o constituiu um dos principais da igreja de JESUS. DEUS tira o homem da lama e o faz assentar entre os príncipes nas regiões celestiais. Porque DEUS não desiste de ninguém.

Se hoje somos igreja, foi porque JESUS não desistiu de nós (pois fomos resgatados debaixo da insistência do SENHOR pela nossa vida). ELE teve muitos motivos para recuar da Sua missão maior, demônios, potestades, principados, fariseus, escribas, pouca fé dos apóstolos, fome, sono, fadiga, temporais. Mas JESUS não desistiu da morte de cruz, ELE não desistiu de mim e de você. JESUS focou a obediência, a perseverança, e venceu. Como marido e esposa, você também irá vencer, se não desistir do seu casamento e de lutar pelo seu cônjuge. Imagino que em cada passo de JESUS rumo ao Calvário, eu e você, entregues aos prazeres do mundo, dizíamos inconscientemente de que não queríamos DEUS, não queríamos ser transformados pelo Seu Espírito Santo. Mas ELE em nenhum momento desistiu de mim e de você. Por isso,  também, não devemos desistir do nosso cônjuge, embora a situação pareça impossível de ser revertida. Porque a família reflete a glória de DEUS. Não me refiro à estrutura familiar que o mundo criou juntamente com o diabo e seus demônios (segundo, terceiro, quarto casamento. JESUS disse que tudo isso é adultério – Marcos 10:11-12; Lucas 16:18 -, sem valor algum, pessoas perdidas ao deleite de suas ambições – 1 Coríntios 6:9-10), mas a família nascida do primeiro casamento de ambos, onde marido e esposa se tornaram cônjuges em suas mocidades. É essa família que DEUS quer restaurar. DEUS quer desfazer toda bagunça realizada pelo diabo. A casa, que está suja e destruída, DEUS quer restaurar, porque ELE não desiste de nenhuma esposa ou marido, unidos em primeira aliança.

Mas se toda essa bagunça foi criada no tempo em que o marido ou a esposa não conhecia o SENHOR JESUS, não era salvo (a), vivia no chamado tempo da ignorância? Ou seja, alguém pode perguntar: e se um marido repudiou a sua esposa e se uniu sexualmente a outra mulher no tempo da ignorância, e um dia ambos tiveram um encontro com JESUS? O que fazer nessa situação? Muitos costumam usar como justificativa a primeira parte do texto que está em Atos, capítulo 17, versículo 30: “Mas Deus não levando em conta o tempo da ignorância…” , E, pronto! Param aqui! Parece que o versículo acabou de maneira abrupta, repentina. É preciso lermos o versículo todo para entendermos em qual situação DEUS não leva em conta o tempo da ignorância do ser humano. Por isso, vou transcrever o versículo na íntegra: “Mas Deus não levando em conta o tempo da ignorância, manda agora que todos os homens, em todos os lugares, se arrependam” (grifo meu). Ah, agora está tudo muito bem explicado: para DEUS não levar em conta o tempo da ignorância, é preciso que o homem se arrependa, ou seja, conserte a sua vida naquilo que precisa ser consertado. Se ele chegou à igreja em segundo ou terceiro casamento e se JESUS diz que isso é adultério (“Qualquer que repudiar a sua esposa e se casar com outra comete adultério e o que se casar com a repudiada pelo marido repudia também” – Lucas 16:18. JESUS disse QUALQUER UM QUE FIZER ISSO, SEJA CRISTÃO OU ÍMPIO), então aquele que se propõe a fazer parte do corpo de CRISTO precisa se arrepender e abandonar esse adultério para poder receber a misericórdia de DEUS sobre a sua vida: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13). Se a tal pessoa insistir em permanecer no adultério e não quiser buscar a restauração com a família inicial, DEUS o julgará como ímpio, como ignorante, pois os tempos da ignorância serão contados para DEUS no Dia do Juízo.

O ímpio não obedece a DEUS, não sente desejo de renunciar a própria carne; ele desiste das pessoas na maior facilidade, repudia sua família, e sai por aí pelo mundo em busca de satisfazer as concupiscências da sua carne. O ímpio desconhece o que é RESTAURAÇÃO, AMOR, COMPAIXÃO, PERDÃO, LUTAR PELA VIDA DE ALGUÉM, porque ele vive a amontoar pecados e desgraças sobre si mesmo.

O cristão é bem diferente. Ele ora, chora, sofre por alguém, não desiste, obedece, submete-se, renuncia a si mesmo, carrega a cruz, sente prazer em agradar a DEUS. Observe que são pessoas de natureza e de atitudes bem distintas. Um cristão casado ama a sua família acima de qualquer emocionalismo e circunstância, porque ele entende que foi DEUS quem a criou para o louvor do Seu santo nome. E, por isso, jamais desiste dela.

Agora, você vai olhar para a sua volta e vê a quantidade de templos, de denominações, usando a Bíblia e o nome do SENHOR, que estão repletas de pessoas em segundo, terceiro, quarto casamento. Você vai se admirar e talvez até se espantar. São pessoas que vieram do mundo de um jeito e nos templos permaneceram do mesmo jeito, porque não lhes apresentaram a sã doutrina, a doutrina de JESUS e dos apóstolos, e até mesmo essas pessoas não se ocupam de examinar o que a Palavra diz. Todas essas pessoas (inclusive líderes) estão perdidas, cegas, e se não estão no adultério, compactuam com o adultério dos outros (leia Romanos 1:28-32). Todas, repito, estão cegas e inseridas naquela célebre passagem de Mateus 7:21-23.

Graça é ter a esperança de viver uma restauração familiar. Misericórdia é a benevolência de DEUS que vem sobre a vida de quem se arrepende e se liberta de todo pecado. Graça e misericórdia são palavras muito bonitas e bastante usadas nos templos, mas elas só são verdadeiras na vida de quem se sujeita aos ensinamentos de JESUS: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça aumente? De modo nenhum. Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? De sorte que fomos sepultados com Ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo ressurgiu dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:1-4).


Se você parou de orar por alguém, simplesmente porque você não viu mudança alguma na vida dessa pessoa, lembre-se de que você anda por fé e não por vista. Então, volte hoje mesmo a dobrar seus joelhos, a colocar essas vidas encarceradas no pecado diante do trono de DEUS. Não dê esse prazer ao diabo em desistir da vida de qualquer pessoa, seja seu cônjuge, seja um parente, um amigo ou até mesmo um inimigo seu. É prazer do diabo que você desista, porque ele quer povoar o inferno de espíritos que, aqui na terra, ninguém se ocupou de orar. Entenda: cada vez que você ora, a esperança de salvação é renovada no mundo espiritual sobre a vida de quem está perdido. DEUS contempla as lágrimas e as orações de um justo. Ore e logo encontrarás a graça de DEUS através de uma resposta poderosa para sua vida e sua família. Seu casamento pode até estar destruído, mas o importante é que você permaneça de pé diante de DEUS e não pague com a mesma moeda àquele que te repudiou. Não desista porque DEUS nunca desiste de você!

Por que os impiedosos prosperam?

“Vale mais o pouco que tem o justo do que as riquezas de muitos ímpios” (Salmos 37:16).

Uma das coisas que mais intrigam a mente de uma pessoa que deseja a restauração familiar é observar os constantes sofrimentos pelos quais ela passa e a felicidade e prosperidade material alcançadas pelo cônjuge oprimido, impiedoso, entregue absolutamente ao pecado do adultério.

Antes, vamos conceituar, à luz da Palavra de DEUS, o que é um justo e um ímpio. Justo é toda pessoa que pratica a justiça de DEUS, que foi transformada pelo Espírito Santo, que se aparta dos maus caminhos e vive uma vida de sanidade, em obediência a DEUS. Ela está muito além de placas denominacionais porque sabe que é membro do corpo de CRISTO, de Sua igreja aqui na terra. Já o ímpio toma uma posição exatamente contrária: busca, a todo custo, a própria felicidade pessoal, transgride a todo tempo os ensinamentos e conselhos de DEUS; é religioso, possui um coração duro, orgulhoso, cheio de soberba e impiedade, ou seja, sem misericórdia e sem capacidade de perdoar. Justos e ímpios vivem em vias diferentes. O justo é um santo, que anda em direção ao reino de DEUS, pois se preocupa com a salvação da alma. O ímpio, nas veredas da injustiça, segundo os conselhos do mundo.

 Refletindo sobre esses dois conceitos distintos, vamos analisar agora o que significa prosperar. Segundo o dicionarista Aurélio, “prosperar é tornar-se próspero, ir em aumento, progredir, desenvolver-se”. A Bíblia afirma que tanto os justos como os ímpios irão prosperar. A prosperidade dos justos vem mediante aquilo que o SENHOR acrescenta em sua vida, por ele (o justo) ter colocado o reino de DEUS como prioridade de vida: “Buscai o reino de Deus e a sua justiça (torne-se justo) e todas as outras coisas vos serão acrescentadas (e se tornará próspero)” (Mateus 6:33) (grifo meu). O fruto que nasce na alma de quem prospera com DEUS é a alegria. A prosperidade dos ímpios surge, unicamente, do seu esforço humano, fruto de suas preocupações com o futuro e com o dia seguinte, da sua força em querer, a qualquer custo, conquistar determinado objetivo. Esse aparente bem é facilitado pela força do mal. O diabo oferece caminhos, oportunidades, sugestões, para que o ímpio torne-se cada vez mais ímpio, cativo dessa sua individualidade, desse seu egoísmo. O resultado que nasce no coração ímpio de quem prospera é a felicidade pessoal. Há uma grande diferença entre ser alegre no SENHOR DEUS e estar feliz no mundo. A alegria como fruto do Espírito Santo é permanente na alma de quem busca a DEUS diariamente. Um justo, por caminhar na contramão do mundo, passa por grandes dificuldades e aflições, mas nem a Paz (quem vem de DEUS) nem a Alegria (que é fruto do Seu Santo Espírito) se apartam da vida do justo, mesmo em meio a grandes lutas. Já a felicidade dos ímpios é algo muito passageiro, temporário, movida por algo que está se vivendo naquele determinado momento. É uma sensação de bem-estar, que aprisiona mais o indivíduo no pecado. O justo prospera para deleite de sua alma e para louvor do Nome de DEUS. O ímpio prospera para a sua satisfação carnal.

Você certamente já assistiu a muitos ímpios prosperarem em seus negócios, tornarem-se ricos, bem posicionados socialmente, felizes, procurando apenas o que apraz a alma deles, e se perguntou: POR QUE ISSO ACONTECE COM ELE E NÃO COMIGO?

 A Palavra de DEUS afirma que “o caminho dos ímpios perecerá” (Salmos 1:6). Afirma também que o SENHOR os colocou em “lugares escorregadios” e que os lançará “em destruição” (Salmos 73:18). Davi escreveu: “O Senhor é conhecido pelo juízo que fez; enlaçado foi o ímpio nas obras de suas mãos. Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus” (Salmos 9:16-17).

A maior tristeza é ver um justo com inveja da prosperidade do ímpio, querendo se comparar a ele. Um justo, que sofre por amor à Palavra, mas que inveja um ímpio feliz em seus pecados, começa daí a perder a presença de DEUS na vida dele (do justo). Os justos são verdadeiramente ricos porque recebem todas as riquezas de DEUS: primeiramente espirituais, depois materiais. A prosperidade do justo vem conforme ele vai buscando a DEUS, servindo-O, fazendo a obra para o Seu Reino. Nenhum justo verdadeiro busca o SENHOR apenas por aquilo que ELE pode fazer em sua vida, pelas coisas acrescentadas. Isso seria interesse carnal, diabólico. Os justos buscam a DEUS pelo que ELE é, pela salvação da alma, desejosos em ser luz desse mundo e herdeiros da glória de DEUS. Todas as bênçãos surgirão naturalmente. A Bíblia diz que os ímpios trabalharão para fartar os justos em suas casas: “Porque ao homem que é bom diante dEle, Deus dá sabedoria, conhecimento e alegria; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte, e amontoe, para dá-lo ao que é bom perante Deus (…)” (Eclesiastes 2:26). Paulo conhecia bem quem O abençoava: “O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus” (Filipenses 4:19).

Não tenha inveja da prosperidade de nenhum ímpio. Ter inveja do ímpio é querer estar no lugar dele (caminhos de morte): “há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são caminhos de morte” (Provérbios 14:12; 16:25). Davi aconselhou: “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Porque cedo serão ceifados como a erva, e murcharão como a verdura. Confia no SENHOR e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado. Deleita-te também no SENHOR, e te concederá os desejos do teu coração” (Salmos 37:1-4). Quanto aos ímpios, sobre eles “fará chover laços, fogo, enxofre e vento tempestuoso; eis a porção do seu copo” (Salmos 11:6). Davi clamou ao SENHOR: “não me arremesses com os ímpios e com os que praticam a iniquidade; que falam de paz ao seu próximo, mas têm o mal no coração” (Salmos 28:3). Esse texto me fez lembrar de uma mulher no interior da Paraíba, que se dizia cristã e a todos na rua cumprimentava com a “Paz do SENHOR”, mas quando entrava em sua casa, tratava mal os filhos, chamava nomes sujos e feios e ouvia músicas do mundo. Assim há ímpios que pensam ser justos, vivem dentro da congregação, mas com a vida presa ao adultério e outros tipos de pecado. Querem ser corpo de CRISTO e escravos das concupiscências ao mesmo tempo. Davi nos alertou que esses também vão nos desejar a paz. No Salmo 73, Asaph diz que quase os seus pés se desviaram do caminho da salvação, “pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios. (…) Eis que estes ímpios, e prosperam no mundo; aumentam em riquezas. Na verdade que em vão tenho purificado o meu coração; e lavei as minhas mãos na inocência. Pois todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã.” (versículos 3,12-14). Ao final ele conclui: “A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre. Pois eis que os que se alongam de ti, perecerão; tu tens destruído todos aqueles que se desviam de ti. Mas, para mim, bom é aproximar-me de Deus; pus a minha confiança no Senhor Deus, para anunciar todas as tuas obras” (Salmo 73:26-28).

O fim dos justos e dos impiedosos já está descrito em toda a Palavra de DEUS: promessa de salvação e bênçãos para os Seus filhos, os que perseveraram até o fim; destruição e morte para os ímpios. “Pois os braços dos ímpios se quebrarão, mas o SENHOR sustém os justos. (…) Mas os ímpios perecerão, e os inimigos do SENHOR serão como a gordura dos cordeiros; desaparecerão e em fumaça se desfarão. (…) O SENHOR ama o juízo e não desampara os seus santos; eles são preservados para sempre, mas a descendência dos ímpios será desarraigada” (Salmos 37:17, 20 e 28). Salomão atestou: “Porque o desvio dos simples os matará, e a prosperidade dos loucos os destruirá” (Provérbios 1:32). Ele também escreveu: “melhor é o pobre que anda na sua sinceridade do que o de caminhos perversos, ainda que seja rico” (Provérbios 28:6). O autor aos Hebreus diz que DEUS é o galardoador dos que NELE buscam.

Nosso DEUS é DEUS de justiça e ELE nunca desamparará nem a mim nem a você, que temos procurado agradá-LO com a vida que ELE nos deu. Por isso, aconselho sempre ao justo se desvincular totalmente do cônjuge ímpio; apenas apresentá-lo em suas orações e esperar pacientemente pela resposta final do SENHOR. Nós, que somos justificados pelo Sangue de JESUS e que andamos em santidade e obediência à Palavra, somos como “a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperar” (Salmos 1:3).

Portanto, não tenha inveja da prosperidade do ímpio em seu caminho de morte. Os ímpios é que devem ter inveja de nós, que somos salvos. O apóstolo Paulo nos aconselhou: “sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; e não sejais sábios em vós mesmos” (Romanos 12:16). Olhe para JESUS, seja apaixonado por ELE, confie nas Suas promessas, faça a obra, espere e receba a vitória da parte do PAI. Todos os dias, o SENHOR escreve uma linda e perfeita história em sua vida com a tinta do Espírito Santo e tudo o que te prometeu, ELE cumprirá. Já os ímpios perecerão naturalmente pelos frutos de sua impiedade e prosperidade. Que

Princípios para a restauração familiar

 “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis. Pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?” (2 Coríntios 6:14-15).

Os versículos acima servem de inspiração e direcionamento para todo aquele que está no deserto na luta pela restauração familiar. Eles foram escritos pelo apóstolo Paulo aos cristãos localizados na cidade de Corinto. Alguém pode me perguntar como provo, na Bíblia Sagrada, que as Cartas de Paulo foram dirigidas apenas à igreja de CRISTO, ou seja, as pessoas que tinham experimentado o novo nascimento espiritual? Nas duas cartas que escreveu à igreja em Corinto, o apóstolo introduziu-as assim: “Paulo, chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, e o irmão Sóstenes, à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos” (1 Coríntios 1:1-2) (grifo meu); “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus, que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia” (2 Coríntios 1:1) (grifo meu).

Paulo, além de ser apóstolo, foi professor do Evangelho, o qual apresentou e ensinou todo o conjunto doutrinário cristão-apóstólico às pessoas que iam sendo convertidas, localizadas em diversos lugares. Ele não era casado, mas escrevia perfeitamente sobre casamento e dava orientações completas aos solteiros, aos casados e aos viúvos, o que verificamos ser um homem de grande intimidade com o Espírito Santo. DEUS o inspirava para escrever e o próprio Paulo sabia e admitia tal privilégio. Ao aconselhar às mulheres que ficavam viúvas, Paulo escreveu: “Será, porém, mais bem-aventurada se ficar assim, segundo o meu parecer; e também eu penso que tenho o Espírito de Deus” (1 Coríntios 7:40).

Mas, voltemos aos versículos iniciais. Há algo muito importante a ser notado nos versículos acima, que fará toda a diferença no posicionamento de quem está no deserto espiritual, lutando pela restauração familiar.

Paulo, inspirado pelo Espírito de DEUS, afirma categoricamente que nenhum cristão deve se prender a um jugo desigual com os infiéis. A quem se refere essa informação? Ela tanto pode ser enquadrada a relacionamentos no geral, como para pessoas casadas, que estão separadas dos seus cônjuges. Preste bem atenção. O que significa não se prender a um jugo desigual com uma pessoa que não quer saber de obedecer a DEUS? Não se prender significa não manter nenhuma linha de contato emocional, espiritual ou físico com uma pessoa, que é e está nas trevas. Observe a preocupação do apóstolo (e de DEUS consequentemente) de preservar a saúde espiritual de quem está com CRISTO, de quem está buscando a salvação da sua alma. Em linhas gerais, não se prender representa cortar todos os vínculos para não sermos atingidos de alguma maneira pelos espíritos malignos que se apropriaram da alma da pessoa opressa. Qualquer relação, vínculo, linha emocional, que um cristão mantém com uma pessoa opressa está dando abertura para ser atingida pelas setas do diabo.

Quando Paulo diz que não há sociedade entre a justiça e a injustiça, ele está se referindo principalmente entre a relação social de casamento entre um justo e um injusto. Não haver sociedade não significa que o casamento deixou de existir, mas que essa relação está fadada ao fracasso, a ruína, pois o injusto haverá de oprimir, colocar em servidão maligna, a pessoa que é justa. Essa análise está perfeita de acordo com outro texto também escrito pelo apóstolo: “Mas se o descrente quiser se apartar, aparte-se. Neste caso, o irmão ou a irmã não estará sujeito à servidão. Deus os chamou para a paz” (1 Coríntios 7:15). Observe que a preocupação em preservar a saúde espiritual do justo se confirma no versículo anterior.

O que Paulo ensina com isso? Que mais importante que a instituição casamento está a salvação da alma do indivíduo, que mais precioso que o cônjuge é o SENHOR DEUS. É fácil percebermos que a relação desigual traz sérias ameaças à salvação do justo. Vamos imaginar duas pessoas crentes em CRISTO. Uma passou o dia inteiro acessando sites pornográficos na Internet. A outra, lendo a Bíblia, ouvindo louvores, acessando sites cristãos. A primeira pessoa naturalmente será contaminada, envenenada e morrerá espiritualmente. Ao contrário da segunda que ficará mais forte e receberá mais bênçãos da parte de DEUS. Conviva com um marido viciado em bebida, pornográfico, extremamente carnal e veja o estado espiritual da esposa cristã que convive com um homem assim. Agora, converse com uma esposa cujo marido é temente a DEUS, homem compromissado com a oração e leitura da Palavra. Compare qual das duas possui um grande desenvolvimento espiritual. Claro que a segunda. Então é exatamente isso que Paulo está chamando a atenção. O povo de DEUS tem que buscar relacionamento com a família de CRISTO aqui na terra; e não com pessoas mundanas.

Posso entender que duas pessoas casadas, onde uma seja cristã e a outra ímpia, a cristã tem que provocar a separação, o repúdio? Lógico que não. Se o ímpio não tomou a iniciativa ainda de separação, o apóstolo Pedro orienta que o casamento tem que ser preservado, sendo que em total silêncio e com boas obras da parte da pessoa cristã: “Semelhantemente, vós, mulheres, sede submissas a vossos próprios maridos, para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, pelo procedimento de suas mulheres sejam ganhos sem palavras, considerando a vida casta, em temor” (1 Pedro 3:1-2). Um conselho precioso: nunca repudie, jamais abandone o lar, por maiores que estejam as lutas. Mantenha-se firme, procure ajuda, faça o que for preciso, mas não repudie, pois a ação de repudiar é algo que DEUS abomina (Malaquias 2:16) (a não ser que a pessoa cristã esteja sofrendo agressões físicas).

Sabe o que gera sofrimento na alma? A relação injusta, desigual, o vínculo errado, o mau posicionamento. A pessoa cristã termina sendo contaminada, atingida, pelas obras do cônjuge que não teme a DEUS.

Como se desvincular totalmente, depois de separados? Para responder a essa pergunta, eu faria outra: por quais caminhos o opresso (ou informações sobre ele) pode chegar até você? Vou enumerar algumas.

1-      Redes sociais. Corte o contato do Facebook, MSN (ou qualquer outro programa parecido) com a pessoa que te repudiou. Evite também pessoas que possam te trazer informações sobre o cônjuge opresso. Quem quiser a sua amizade, terá que respeitar esse seu princípio: nada de trazer informações.

2-      Ligações no celular. Atender e falar apenas para tratar de filhos. Nada mais que isso. Não prolongue debates, conversas, que não trarão frutos saudáveis algum. Se não tem filhos, mude até o número do celular, se possível.

3-      Contato com parentes do cônjuge opresso. Seja muito cauteloso (a) nesse item. Cuidado com o que você vai conversar e a frequência dessas conversas. Quanto menos, melhor. Nada de falar sobre o casamento nem de nenhuma novidade sobre sua vida ou de querer saber sobre a vida do outro.

O que você, na verdade, tem que fazer é ter MUITA FÉ, orar e jejuar pela vida do seu cônjuge, descansar seu coração e se posicionar corretamente. Depois, relacione-se com pessoas de DEUS, que tenham a mesma fé que você. Estreite o máximo essa relação. Não deixe de ser acompanhado (a) por alguma autoridade espiritual (homem) antidivorcista. Não faça nada, não dê nenhum passo na sua vida sem que essa autoridade espiritual aqui na terra não saiba. Comunique, abra-se, busque amizade, intimidade, cumplicidade com o seu líder, quebrando todas as barreiras que venham separá-los. Vi muitas pessoas sendo curadas emocionalmente a partir desse envolvimento com propósitos. Envolva-se com os projetos do reino de DEUS e procure olhar apenas para JESUS.

Toda restauração familiar promovida por DEUS vem acompanhada de libertação, mudança de caráter, transformação de água em vinho, de trevas em luz. Depois que as trevas se tornarem luz, haverá perdão liberado de ambas as partes e a tão sonhada reconciliação. O fato de o apóstolo escrever que não há comunhão entre luz e trevas não significa que a sentença final do seu casamento já foi publicada por DEUS. Não é isso. É para você, que é cristão, afastar-se de todo aquele que vive ao deleite das trevas, no mundo do pecado, em desobediência contra o Espírito de DEUS (“Deus é luz e nele não há treva alguma” 1 João 1:5). Mas não quer dizer que tudo está perdido. Tenha a fé de Abraão no DEUS, especialista em trazer à existência o que não existe:

“Portanto é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda descendência, não somente a que é da lei, mas também a que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós. (Como está escrito: por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber,  Deus que vivifica os mortos, e chama à existência as coisas que não são como se já fossem. O qual, em esperança, creu contra a esperança que será feito pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito. Assim será a tua descendência. E não enfraqueceu na fé, nem atentou para o seu próprio corpo amortecido, pois já era de quase cem anos, nem tampouco para o amortecimento do ventre de Sara. Ele não duvidou da promessa de Deus, deixando-se levar pela incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus” (Romanos 4:16-20) (grifo meu).


DEUS é a nossa esperança, o Criador e o dono de tudo, e é NELE que devemos confiar. Por isso, seja radical, confie em DEUS, posicione-se, não deixe de lutar, pois a resposta do SENHOR é certa para a sua vida.

Os três recados de Deus para a sua vida na área da restauração familiar

“Ele me disse: Filho do homem, põe-te em pé, e falarei contigo” (Ezequiel 2:1).

No meu deserto espiritual, DEUS falou comigo. Pediu que eu me colocasse de pé, na presença dELE. Eu precisava de algumas respostas da parte do Senhor, palavras que me dariam um novo vigor em minha caminhada. Você deve se encontrar nessa exata situação, buscando respostas para perguntas que insistem dominar a sua mente. Fica-te também de pé, diante de DEUS, porque os três recados que ELE enviou ao meu coração serão agora compartilhados com você.

A PRIMEIRA E AS DEMAIS COISAS

Há pessoas que só se lembram de DEUS na hora da dor, da enfermidade. Mas quando recebem a cura, logo se esquecem de agradecê-LO, do que ELE fez e voltam a viver a vida em desobediência. São pessoas que só desejam DEUS em seus momentos de desespero, que O buscam por aquilo que ELE pode fazer ou oferecer. Assim também existem muitas igrejas que se auto-intitulam cristãs, cujos líderes só ensinam os seus seguidores a buscar o que DEUS tem para lhes oferecer, as bênçãos, os milagres. Pessoas com fé para conquistar algo, mas sem vida com CRISTO. São muito abençoadas materialmente, mas não são salvas nem são santas, separadas. Vida com CRISTO é vida de renúncia. Quem renuncia a própria vontade para se submeter a vontade de DEUS, além de ser salvo, separado, também é muito abençoado.

A Bíblia Sagrada nos apresenta um versículo muito conhecido de todos nós: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas as outras coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33). A Palavra de JESUS é bem categórica: BUSCAI EM PRIMEIRO LUGAR A DEUS! Buscai a DEUS por aquilo que ELE é, a Sua essência. Buscai isso primeiramente, imediatamente, em sinceridade, pureza, sem interesse algum. Nada pode vir antes disso.

Quando agimos assim, recebemos de DEUS uma grande promessa: TUDO TEREMOS EM ACRÉSCIMO! Sabe o que isso significa? Que iremos receber muito além do que pedimos ou pensamos. A Palavra “acrescentada” quer dizer ter em acréscimo, em abundância, muito mais do que a nossa mente limitada alcança ou deseja.

Com essa reflexão e de posse dessa verdade, entendo que o restaurar famílias e casamentos vem depois da restauração de vidas. DEUS, antes de restaurar famílias, quer restaurar vidas. Vida com CRISTO é o mesmo que obedecê-LO, viver na dependência dELE, esvaziar-se da natureza humana; é entender os seus desígnios.

Restaurar famílias é desejo também de DEUS, mas faz parte do acrescentadas; não vem em primeiro lugar. Afinal do que adianta ter uma família aparentemente feliz e próspera sem salvação? DEUS deseja salvar e restaurar a sua vida e a vida do seu cônjuge, de maneira total, completa, com ELE. Vida com CRISTO: esse é o segredo da sua vitória!

NO FUNDO DO POÇO: A GLÓRIA DE DEUS!

A fé é um não enxergar com os olhos naturais.
Quantas pessoas se desesperam quando olham a sua volta, ao seu redor e veem tudo distante e sem solução? Muitas até me perguntam: “pastor, por que quanto mais eu oro, consagro-me e obedeço a DEUS, mais as coisas parecem distantes?”

Eu glorifico a DEUS quando isso acontece.
DEUS age no invisível, em um espaço onde os nossos olhos naturais não podem chegar. ELE não nos permite que vejamos como está trabalhando, pelo simples fato de que, se víssemos, seríamos o mais incrédulo dos seres humanos. Não podemos ver o que DEUS está fazendo, mas devemos crer. Quem acredita sem ver, marcha rumo às bênçãos. Certa vez JESUS respondeu a Tomé: “Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram” (João 20:29). Por outro lado, satanás age no invisível, através das vidas que são opressas por ele. As ações malignas são claras: em palavras e em atitudes. O que satanás faz é bem visível, aos nossos olhos naturais. É por isso que ouvimos do cônjuge que não nos deseja mais, que o casamento não tem mais jeito, que não existe amor, que somos isso ou aquilo (agressões morais). Está explicado porque olhamos as circunstâncias e vemos o cônjuge adulterar ou com o coração duro e irredutível; e até demonstrar que está feliz e próspero.
Como DEUS liberta uma vida assim, incrédula, difícil e impiedosa?
DEUS usa essa aparente felicidade e prosperidade para que o outro chegue ao fundo do poço. É através das riquezas da glória humana, das suas ambições egoístas que o homem será abatido em sua soberba. Quanto maior a exaltação humana, maior a queda. O fundo do poço, lugar de humilhação, da destruição dos ídolos, é onde o ser humano recebe a glória de DEUS. Na humilhação, ele é exaltado. O fundo do poço é um lugar sem saídas, onde o homem não consegue mais escapar nem fugir. Com o rosto no pó, DEUS o sustentará com as Suas mãos poderosas. Mas enquanto houver mais descida, houver mais profundidade,

DEUS permitirá que o cônjuge sucumba mais e mais. É nesse estado em que a natureza humana, rebelde em sua essência, inclinada à desobediência, consegue ouvir a voz do Senhor, obedecê-LO e clamar o Seu santo Nome. É no fundo do poço, esgoto espiritual, envergonhado e humilhado, que o coração de pedra é destruído e clama “Aba Pai!”. É no lixo da humilhação, que o antes coração soberbo e impiedoso vê a glória de DEUS.

É preciso que desçamos ao fundo do poço de nossas misérias individuais para conhecermos e compreendermos o que DEUS tem para as nossas vidas.
Por isso, orar, jejuar, santificar-se dia-a-dia, ser sábio (a) e obediente na caminhada são atitudes fundamentais para quem deseja ter vitória no mundo espiritual.

DEUS trabalha no invisível para que possamos ter fé. Satanás, no mundo visível, para nos atingir. Entre um e outro, está você, revestindo-se das armaduras de DEUS, não se preocupando com o que satanás faz, mas acreditando na vitória em CRISTO JESUS!

O BOTÃO DA MUDANÇA

Você já conseguiu enxergar o grande amor de DEUS pela sua vida? Não?
Se você olhar para a sua realidade hoje de outro ângulo, você ficará maravilhada (o) e constrangida (o) por tão grande amor.

Você se lembra quantas vezes, no passado (quando você achava que sua vida era boa, servindo ao mundo, andando conforme os dias da ignorância, ou mesmo coxeando entre dois pensamentos), DEUS tentou falar com você em amor? ELE enviou um servo para falar contigo, entregar uma literatura cristã, fez com que hinos e uma palavra chegassem aos seus ouvidos, mas você não quis aceitar a voz dELE. Você se lembra de quantas vezes O desobedeceu e entristeceu o Santo Espírito? Se continuasse daquele jeito, com aquela vida que considerava boa, você iria viver dias de sorrisos aqui na terra, mas ao morrer, seu espírito não iria entrar no Reino de DEUS. A Bíblia diz que “há caminhos que parecem bons ao homem, mas que o fim deles são caminhos de morte” (Provérbios 14:12). Você andava em um desses caminhos…

E o que DEUS fez por você?

ELE, por amar tanto a sua vida, decidiu apertar um botão em você, que ELE considerou primordial para você ouvir a voz DELE. Bastou apenas um toque para a dureza do teu coração se quebrar, tornar-se mansa e humilde. Um toque em um botão de sua vida para você se desmanchar na presença DELE. DEUS tocou em seu casamento. Poderia ter tocado em sua saúde ou em seu bolso, mas ELE preferiu o seu casamento, naquilo que era o seu deus.
DEUS fez isso porque a (o) ama muito e não quis perder a sua vida por nada. ELE a comprou a um preço muito alto, um preço de morte e morte de cruz. DEUS apertou o botão, tocou em sua vida, permitiu a separação, mas a (o) colocou em Seu colo sagrado. Sim, você agora está no colo de DEUS, sendo cuidado por ELE nos mínimos detalhes. Desde esse dia, DEUS nunca a (o) desamparou, nunca deixou faltar o pão em sua mesa, nunca deixou de enxugar as suas lágrimas, quando você chora muito e se esquece de agradecê-LO. Cada lágrima derramada dos seus olhos é gesto de ingratidão. ELE também chora por você. Na verdade, DEUS quer que você chore de alegria, de gratidão, de reconhecimento por tudo o que ELE está fazendo em sua vida. DEUS, até o dia de hoje e fará sempre, está cuidando de você, como um oleiro cuida de um vaso e uma mãe cuida do recém-nascido. Você está como uma criança nos braços do seu PAI.

E agora, consegue enxergar o grande amor de DEUS por você?

Mas, ELE não parou aqui, ainda não fez a obra completa. Tem mais e muito mais. DEUS não faz a obra incompleta. Não é como o homem que planeja, investe dinheiro, mas deixa a obra pela metade. O que DEUS começa vai até o fim, porque ELE é fiel!

DEUS está te moldando, tirando as impurezas da sua vida, mudando o teu caráter. Por isso, ELE apertou um botão em você. Quando você estiver totalmente preparada (o), um vaso pronto, transformado, DEUS IRÁ APERTAR O BOTÃO NA VIDA DO TEU CÔNJUGE TAMBÉM, destruir o que o impede de ouvir a Sua voz e obedecê-LO. Teu cônjuge se desmanchará na presença do SENHOR como uma casa construída com a areia da praia, depois que uma forte onda a sobrevém.

Mas DEUS ainda não terminou, não parou aqui. ELE também trará o teu cônjuge de volta, manso, humilde, com outro caráter e outro coração. Na verdade, não adiantava você ter uma família aparentemente feliz e essa família se perder para o caminho do inferno. DEUS te ama tanto, que ELE te colocou no deserto para cuidar de você, salvar a tua vida e o teu casamento.

Se DEUS não quisesse restaurar e fazer novas todas as coisas na tua família, em teu casamento que ELE abençoou e foi fiel testemunha, DEUS simplesmente não tocaria você, não apertaria o botão, ignoraria, não se preocuparia com a sua vida. Deixaria você vivendo pelo seu próprio deleite e vontade. DEUS está consertando a sua vida, irá salvar a vida do seu cônjuge para, logo em seguida, restaurar o seu casamento. Creia: DEUS não faz nada pela metade!

E agora: consegue enxergar o grande amor de DEUS por você? Se a resposta foi positiva, pare de murmurar e agora mesmo, daqui em diante, faça da sua vida um cântico de gratidão a ELE. Pois, DEUS te ama e grandes coisas ainda fará em teu favor! Você crê?

Por que Deus vai trazer de volta o teu cônjuge e restaurar o teu casamento?

“Os resgatados do Senhor voltarão. Entrarão em Sião com júbilo, perpétua alegria coroará as suas cabeças. Gozo e alegria alcançarão, e tristeza e gemido fugirão” (Isaías 51:11).

Estava eu orando de joelhos ao SENHOR DOS EXÉRCITOS, o Grande EU SOU, por todas as pessoas que estão passando por um grande deserto em seu casamento. E o Espírito Santo de DEUS me incomodou para escrever esta Palavra. Não consegui me conter. Fui tomado de um incômodo santo tremendo, irresistível. DEUS já tem contemplado as lágrimas de todas as esposas e maridos que foram abandonados, que hoje choram e clamam dia e noite pela restauração do casamento, para que seu cônjuge volte para casa. Muitas dessas pessoas estão prestes a ficar frente a frente com o divórcio. Quase todas estão com o marido em adultério. Mas há também maridos que estão sofrendo devido à infidelidade conjugal de suas esposas. Para todas essas pessoas DEUS está dizendo: “EU SOU O QUE SOU” (Êxodo 3:14)“ANTES QUE HOUVESSE DIA, EU SOU. NINGUÉM HÁ QUE POSSA ESCAPAR DAS MINHAS MÃOS. AGINDO EU, QUEM IMPEDIRÁ?” (Isaías 43:13).

É possível crermos que o cônjuge vai voltar ainda que aos olhos humanos tudo pareça impossível. DEUS tem mostrado na Bíblia Sagrada e também em nossos dias o quanto ELE é Poderoso para fazer o impossível se tornar possível realização. Vou citar alguns casos de impossíveis que se tornaram possíveis:

1)  O MAR REVOLTO“Ora, levantou-se grande temporal de vento, e as ondas se arremessavam contra o barco, de modo que já estava a encher-se. Jesus estava na popa, dormindo sobre uma almofada. Os discípulos o despertaram dizendo: Mestre não se te dá que perecemos? Ele despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: cala-te! Aquieta-te! Então o vento se aquietou, e houve grande bonança” (Marcos 4:37-39).

2)  A FIGUEIRA INFRUTÍFERA: “De manhã, ao voltar para a cidade, teve fome. Avistando uma figueira à beira do caminho, dirigiu-se a ela, mas não achou nela senão folhas. E disse-lhe: nunca mais nasça fruto de ti. E a figueira secou imediatamente” (Mateus 21:19).

3)  O MILAGRE DA RESSURREIÇÃO: “Quando Jesus chegou, já fazia quatro dias que Lázaro havia sido enterrado. Betânia distava cerca de quinze estádios de Jerusalém, e muitos judeus tinham vindo visitar Marta e Maria, para consolá-las acerca de seu irmão. (…) Jesus, comovendo-se profundamente outra vez, dirigiu-se ao sepulcro. Era uma gruta, com uma pedra posta sobre ela. Disse Jesus: tirai a pedra. Disse Marta, irmã do morto: Senhor, já cheira mal, pois é o quarto dia. Então Jesus lhe disse: não te disse que se creres verás a glória de Deus? Tiraram, então, a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste. Eu sei que sempre me ouves, mas eu disse isso por causa da multidão que me rodeia, para que creiam que tu me enviaste. Tendo dito isso, Jesus chamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! O morto saiu, tendo as mãos e os pés enfaixados, e o rosto envolto no lenço. Disse Jesus: desatai-o e deixa-o ir” (João 11:17-19 e 38-44).

4)  TRANSFORMAÇÃO DA ÁGUA EM VINHO: “Jesus e seus discípulos também haviam sido convidados para o casamento. Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: não tem mais vinho. Respondeu-lhe Jesus: mulher, que tenho eu contigo? Ainda não chegou a minha hora. Sua mãe disse aos serventes: fazei tudo o que ele vos disser. Estavam ali seis talhas de pedras que os judeus usavam para as purificações, e cada uma levava duas ou três metretas. Disse-lhes Jesus: enchei de água essas talhas. E encheram-nas até em cima. Então lhes disse: tirai agora, e levai ao mestre-sala. Eles o fizeram, e logo que o mestre-sala provou a água transformada em vinho, não sabendo de onde viera, se bem que sabiam os serventes que tinham tirado a água, chamou o noivo, e disse: todos põem primeiro o vinho bom e, quando já beberam fartamente, então o inferior, mas tu guardaste até agora o bom vinho” (João 2:2-10).

Muitas vezes, durante a nossa caminhada cristã, enfrentamos fortes tempestades e nos esquecemos do milagre que JESUS fez ao dar uma ordem aos ventos e às ondas do mar. Tudo se fez bonança. Pensamos que DEUS está dormindo, que não tem contemplado as nossas lágrimas, que tudo vai afundar e que nada tem mais jeito. Às vezes também vimos o nosso cônjuge como uma figueira infrutífera, ou aquela árvore que só dá frutos ruins, e achamos também que não há solução para a vida dele. JESUS pode e vai determinar uma palavra contrária a que ELE disse àquela figueira. Nosso SENHOR e SALVADOR vai determinar àquele marido rebelde ou àquela esposa desobediente, que só dão frutos apodrecidos aos olhos de DEUS: “que a partir de hoje apenas nasçam frutos saudáveis de ti!” DEUS pode e vai transformar o nosso cônjuge numa árvore frondosa, que dá flores e bons frutos. Já chegamos também a sepultar as nossas esperanças, a nossa fé nos milagres, já enterramos os nossos sonhos e os cobrimos com uma pedra enorme. E quando tudo aos nossos olhos não tiver mais jeito, estiver morto, eis que surgirá Aquele especialista em ressuscitar mortos, o grande EU SOU, e dirá: “retire o seu casamento da gruta, pois ele agora vive!” Um casamento que antes era regado somente por água, sem sal, sem alegria, cheio de frustrações e cicatrizes profundas, tornar-se-á um casamento verdadeiro, agradável aos olhos de DEUS. JESUS será o convidado. É ELE quem transformará a água do seu casamento em um bom vinho, onde todas as coisas se tornarão novas e o passado, esse sim, ficará sepultado para sempre.

O mesmo DEUS que fez o mar se acalmar, a figueira secar, o morto ressuscitar e a água ser transformada em vinho, soerguerá também a sua família; trará o seu marido ou a sua esposa de volta para casa. Não duvide disso, pois não há montanha que não estremeça na presença de DEUS e se torne como as areias do mar. Não há coração de pedra que não seja abatido e  transformado em um coração de carne, obediente ao PAI. Ainda que, para isso, o rebelde tenha que passar por situações amargas, difíceis na vida. Mas DEUS traz. DEUS faz. DEUS cumpre. Não por merecimento nosso, mas porque uma família unida, constituída e abençoada por ELE é a garantia e a esperança de salvação do amanhã. DEUS “(…) chama à existência as coisas que não são como se já fossem” (Romanos 4:17). Por isso, ELE encontrou Saulo no caminho de Damasco, um homem perseguidor da igreja cristã, inimigo do evangelho, e fez cair as escamas dos seus olhos, deu-lhe novo nome (passou a se chamar Paulo) e vida nova (foi o maior pregador da igreja primitiva). Esse mesmo DEUS fará o mesmo com o marido ou a esposa que deseja destruir a aliança matrimonial. “Por isso vos digo que tudo o que pedirdes em oração, crede que recebestes, e será vosso” (Marcos 11:24).

DEUS trará de volta o seu cônjuge porque eu sou um exemplo vivo disso. Antes fui adúltero, traidor, infiel à minha esposa e a DEUS. Vivia enlaçado com prostitutas, chegando ao cúmulo de manter sexo com três a quatro por dia. Bebi da lama podre e comi no esgoto espiritual. Minha esposa orava incessantemente por mim. Hoje estou aqui, resgatado pelas mãos poderosas do Nosso DEUS, liberto e, o que é melhor, com um Ministério voltado para a recuperação dos casamentos. Um dia, como Saulo, fui destruidor de vidas e de famílias. Hoje, como Paulo, eu sirvo ao meu SENHOR JESUS, porque tudo ELE pode e “nenhum dos seus planos pode ser impedido” (Jó 42:2). Dessa forma, tão certo como eu vivo, como o ar que respiro, creio na restauração de todos os casamentos. O tempo para isso dependerá da obediência e do saber esperar e crer de cada um. Para uns, o tempo demorará mais. Para outros, chegará mais depressa. Mas o que garanto é que, para todos, o tempo da colheita, onde toda lágrima cessará e dor não existirá mais,  chegará. E quando esse tempo chegar “saberás, pois, que o Senhor, teu Deus, o Deus fiel, que guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seus mandamentos” (Deuteronômio 7:9).

Creia e espere. A vitória é certa em Nome de JESUS! Deus nos abençoe!
 

© Template Grátis por Cantinho do Blog. Quer um Exclusivo?Clique aqui e Encomende! - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré