Páginas

Com vergonha de voltar para casa

Conheci um homem que na sua adolescência se cansou de morar com os pais e decidiu fugir de casa. Tornou-se um marinheiro e por 10 anos trabalhou nos navios, se tornando um homem grosseiro, duro e bruto. Nunca, durante todo este tempo, escreveu uma carta para seus pais, ao menos para informar onde estava. Pensou que não se importariam com ele e que já o consideravam como morto. Até que finalmente seu desejo de voltar ao lar tornou-se tão grande que decidiu partir. 

Entrou no porto, tomou um pequeno barco e remou em direção à casa de seus pais. Veio-lhe a ideia de que talvez todos já estivessem mortos ou mudado de cidade. A vergonha era tanta que não queria ser visto durante o dia, por isso, esperou até à noite. Ao anoitecer, remou para perto da margem, mas viu uma luz e alguém que se movia na praia. Como não queria encontrar estranhos, retirou-se para longe.  Às 10 horas da noite, aquela luz continuava no mesmo lugar. Retirou-se outra vez e esperou até às 11, mas a luz ainda estava ali e alguém andava pela praia. 

Aproximou-se do lugar e para sua surpresa, era o seu pai, de barba branca, olhos melancólicos e coração quebrantado... Noite após noite, durante dez anos, seu pai havia colocado uma lanterna para guiar e receber o seu filho, esperando que um dia ele voltasse. Deus é assim! É um pai, eterno e amoroso, e nenhum filho, jamais será esquecido por Sua mente infinita e por Seu coração que tanto ama.

Que o Senhor JESUS nos abençoe!


ESTUDO ELABORADO PELO  PASTOR - ANTÔNIO JÚNIOR

0 comentários:

Postar um comentário

 

© - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré