Páginas

Um casamento à prova de tudo

Estava segurando uma bandeja com um prato de comida e caminhando entre as mesas ocupadas de uma praça de alimentação. Não havia um lugar sequer. Quando um casal, a minha frente, ofereceu um canto da mesa onde estavam sentados para que eu pudesse me alimentar. Duas pessoas aparentemente simpáticas.
A princípio, minha mente julgou estarem eles em uma relação adúltera. É muito difícil, no mundo em que estamos, encontrarmos casais em um relacionamento lícito aos olhos de DEUS. O véu da prostituição e da ilicitude paira quase sobre o coração de todos.
Entre uma conversa e outra, descubro a realidade: tinham 31 anos de primeiro e único casamento. Seus nomes: Washington e Roseny.
Essa é uma história de amor e de resistência, em que, qualquer um diria que foi obra do acaso. Mas não foi. Ele goiano; ela cearense. Conheceram-se no clima seco de Brasília. Em comum apenas o fato de terem morado na mesma quadra e dos pais trabalharem em um mesmo setor.
Conheceram-se, com um mês namoraram, com um ano noivaram e mais um ano já estavam devidamente casados ante o testemunho de DEUS e os aplausos dos homens.
Na mesa, quase perdendo a fome, ouço declarações de amor eterno de um para o outro. Dizem que querem ficar bem velhinhos e perderem a respiração no mesmo tempo. Nenhum quer partir antes do outro.
“Casamento é uma aliança, Pr. Fernando, uma missão que deve ir até o fim da vida”, disse ela.
Aos poucos, ele também vai se soltando: “Outra mulher não caberia em mim, somente a Roseny. Ela foi o presente que recebi de DEUS”.
Fico a imaginar que nas mesas ao lado haveria muitos casais ditos protestantes, filhos de DEUS, em segundo ou terceiro casamento. Esses aqui se autodeclararam católico-espíritas. São as incoerências do mundo. Os que se dizem ser não são pelos seus frutos. Os que ainda não são dão um perfeito testemunho de amor ao próximo.
Até quando iremos associar o Reino de DEUS a uma placa de templo, a uma religião, a qualquer coisa que dizem ser “aceitar a CRISTO”? Até quando milhares continuarão envergonhando o Evangelho e a doutrina santa do Reino? Até quando professarão o santo Nome de DEUS em vão?
Não há negação do próprio EU, não há cruz, não há o seguir a JESUS, na vida daqueles que se dizem filhos de DEUS?
Washington e Roseny possuíam dois filhos. Porque um deles teve Leucemia, passou por tratamento especializado nos Estados Unidos, melhores médicos, mas chegou a falecer.
Hoje, o único filho, ainda solteiro, diz querer seguir os passos dos pais, em termos de casamento. Os pais, que não desistiram da vida um do outro, não jogaram os votos que fizeram diante de DEUS no lixo, possuem autoridade para aconselhar, para dizer “Não faça isso, meu filho”.
Washington passou por várias pontes de safena e me mostrou o corpo com várias costuras cirúrgicas.
Bem, isso é só um pouco das grandes lutas que um casamento à base de tudo pode suportar. Um casamento que não foi feito apenas de um lindo vestido branco, véu, grinalda, damas-de-honra, fogos de artifício, muita comida e bebida e um par de aliança de não sei de quantos quilates de ouro. Mas um casamento que foi construído a partir do caráter de duas pessoas que um dia decidiram viver o resto dos dias um ao lado do outro, doa a quem doer.
Isso é só um pedacinho da honrada história desse casal. Porque, mais tarde, na reunião da igreja em Brasília, ela se comprometeu em contar mais dessas páginas aos irmãos presentes.
Aguardemos.

Em CRISTO,

ESTUDO ELABORADO PELO  PASTOR  FERNANDO CÉSAR 

0 comentários:

Postar um comentário

 

© - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré