Páginas

Igreja e mundo: inimigos ao extremo

Chegamos ao tempo da facilidade extrema para se divorciar. Se não houver filhos e se os bens forem repartidos consensualmente, bastam alguns minutos em um Cartório, e o casal logo estará de posse do documento que oficializa a quebra da aliança matrimonial aos olhos da sociedade.

Chegamos igualmente ao tempo em que duas pessoas do mesmo sexo podem ser reconhecidas, aos olhos do mundo, como pessoas legalmente casadas.

É o tempo em que os antigos jamais imaginariam que chegasse. Não que essas conquistas sociais representem avanço, especialmente no campo do Direito da Família. Antes, pela minha opinião e fé, significam um profundo retrocesso e uma afronta escandalosa à Palavra de DEUS. Aliás, essa inerrante Palavra atesta que “(...) o mundo jaz no maligno” (1 João 5:19).

O mundo jaz no maligno porque ele é regido pelo príncipe das trevas e seus demônios. Quem aprova tais conquistas sociais, torna-se inimigo (a) de DEUS.

A igreja, para se tornar parecida cada vez mais com DEUS, precisa abominar e ignorar os anseios e as conquistas seculares e mundanas. Esse é um requisito fundamental. Igreja e mundo não podem andar de mãos dadas, mas precisam assumir uma postura de inimigos extremos, sem a necessidade de agressão nem qualquer tipo de violência. E essa não é somente uma questão essencialmente de respeito à fé cristã, mas de posicionamento de um caráter irrepreensível. O mundo precisa odiar cada vez mais a igreja de JESUS, enquanto esta deve ter repugnância pelas coisas que o mundo cria. Em João 15: 18-19, JESUS advertiu a igreja: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso que o mundo vos odeia”.

Divórcio, recasamento de pessoa divorciada (em nenhuma circunstância ou motivo), união civil entre pessoas do mesmo sexo, qualquer tipo de idolatria e outras manifestações parecidas pertencem ao mundo. A igreja, nascida do coração do DEUS Santo, precisa, repito, repudiar tais coisas. Não existe igreja em amizade com o mundo.

Mesmo o mundo se perdendo no maligno, JESUS não quis nem impediu que a igreja vivesse fora dele. Mas deu-lhe a incumbência de anunciar o Evangelho da salvação aos perdidos e de ser luz no meio deles. Pois, quem é do mundo anda na escuridão das trevas e não possui discernimento espiritual algum.

Quem é do mundo vive conforme os conselhos do mundo. Assim, casa-se no mundo, com uma pessoa do mundo, e quando não dá mais certo, separa-se, divorcia-se e contrai nova união. Tudo isso acontece porque o mundo tem essas coisas como certas, naturais, corretas; e a ignorância aos conselhos de DEUS é notória em sua mente e em seu coração.

Daí, em algum momento, essa pessoa tem um encontro com JESUS. O Espírito Santo a visita. O véu da ignorância cai totalmente quando lhe é revelada toda a Verdade de DEUS acerca da sua vida. O desmanche do véu da ignorância não ocorre quando essa pessoa, por algum motivo, mudou de religião. Sistema religioso algum representa o Reino de DEUS aqui na terra (nem católico romano, nem protestantismo, nem qualquer outro). Infelizmente, uma cultura alienante e diabólica nos fez acreditar que sistemas religiosos, cada qual com a sua doutrina, fossem a representação do Reino de DEUS aqui na terra. Quanto ao Protestantismo, eu costumo enxergá-lo de duas maneiras: 1) como um movimento histórico-religioso cujos precursores mais conhecidos foram Lutero e Calvino (tiveram uma atitude importantíssima quando romperam com os dogmas do Catolicismo romano); 2) adiante, como um sistema religioso amparado em templos denominacionais e doutrinas estabelecidas por homens.

O tempo passou, as denominações cresceram e se multiplicaram e introduziram em nossa mente a ideia de que, para ser do Reino, a pessoa precisaria frequentar uma dessas instituições. Isso também é uma afronta à Palavra de DEUS. Essas denominações, com o tempo, passaram a ser uma espécie disfarçada de representação do mundo; nunca de DEUS. As pessoas chegam do mundo com a vida totalmente destruída, passam a frequentar esses lugares; e a vida não muda radicalmente, da água para o vinho. Muitas permanecem no adultério continuado (segundo casamento de pessoa divorciada aos olhos de DEUS), como se isso fosse normal e não interferisse na salvação delas. Muitos líderes não doutrinam conforme os pensamentos de JESUS, não exortam, não disciplinam; antes contribuem para a morte espiritual de muitos seguidores. Os templos denominacionais se tornaram um cemitério de “vivos-mortos”, que proclamam o Nome do SENHOR, louvam com os lábios; mas não têm a vida transformada ainda pelo SENHOR.

O mundo tornou-se amigo das denominações religiosas; mas nunca da igreja verdadeira. Esta, que é templo e morada do Espírito Santo, até o seu último respirar aqui na terra, vai repudiar as obras do mundo. Na oração sacerdotal, JESUS afirmou que a igreja não é do mundo, como ele também não é (João 17:16).

“O Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês (a igreja) o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês (João 14:17)” (grifo meu).

“Esta é a condenação: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más (João 3:19)”.

“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não são do Pai, mas do mundo (1 João 2:15-16)”.

Se o divórcio e o recasamento de pessoa divorciada são do mundo e abomináveis aos olhos de DEUS, como pode uma igreja aceitar tais coisas, sendo ela representação de um Reino santo aqui nesta terra? A ordem estabelecida por DEUS é: o que é do mundo, de um lado; e o que é de DEUS, do outro, completamente oposto.

Que o SENHOR nos abençoe!


FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça”; “Antes que a Luz do Sol escureça” e da coleção “Destrua o divórcio antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua o adultério antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua a insubmissão antes que ela destrua seu casamento”. Também é pastor e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo.

0 comentários:

Postar um comentário

 

© - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré