Páginas

Restaurando Casamentos - uma porta de esperança para o seu casamento

"... agindo eu, quem impedirá? Isaías 43:13

Você querida amiga ou amigo que buscou ajuda na internet para seu casamento, saiba que Deus te conduziu e te trouxe até este site.

Não imorta o tamanho nem o tipo da sua luta: esfriamento, adultério, separação, divórcio, abuso, brigas, violência, cônjuge não-cristão, falta de esperança, mentiras, dureza de coração, dúvidas, depressão, problemas financeiros, drogas, enfim, sejam quais forem os problemas que você esteja passando neste momento, Deus tem hoje uma palavra para você: Eu posso restaurar o seu casamento!

Você não está só nesta luta! Deus providenciou fiéis companheiros para te ajudar a passar por este deserto que muitas de nós estamos passando ou já passamos.

Esse Blog é um lugar de vida. Aqui você vai encontrar um ombro amigo para as suas lágrimas, testemunhos, literatura, devocionais e uma palavra vinda de Deus para seu casamento.

Nosso grupo no Facebook Clique Aqui.

Não desista dos seus sonhos!

Restauração familiar, fé e exploração econômica

Há muitos séculos, o apóstolo Pedro alertou a igreja para o perigo da presença de falsos profetas em seu meio. Além das heresias, dissoluções que são peculiares a esses homens, outra característica nos chama a atenção: a avareza, o amor ao dinheiro.

O tempo passou e essa praga, infelizmente, se alastrou no meio do povo de DEUS. Tais religiosos têm o olhar de um comerciante, que busca saber qual o tipo de produto que está mais em moda, o que tem mais saída, aquele que as pessoas mais têm procurado, para investir em seus negócios profissionais.

Desde o surgimento das “igrejas” neopentecostais, final dos anos 70, no Brasil, houve uma explosão de denominações e líderes que começaram a enxergar as necessidades mais emergenciais do povo para explorá-lo em cima disso. Doenças, desempregos, ambição por riqueza, prosperidade material e, agora, em pleno século XXI, pasmem, restauração familiar....

Muitos líderes começaram a enxergar, nessa área, um meio forte para a lucratividade com a da fé alheia. O tópico “Famílias Destruídas” está ali, lado a lado, concorrendo com o desemprego e as enfermidades. Também muitos são os cônjuges que têm recebido a revelação do Espírito Santo em relação à verdade sobre o casamento e o recasamento de pessoa divorciada e têm buscado, na Internet, soluções para a desgraça que abateu sobre sua família. O público, que se diz cristão, que tem atravessado a separação conjugal e o divórcio só tem crescido. Boa parte dele tem sido revelada sobre a verdade do casamento para DEUS; daí recorrer a sites, blogs, vídeos, qualquer coisa que lhes forneça soluções para os seus problemas no casamento. Hoje, é muito fácil encontrar líderes que abordam esse tema, diferentemente de 20 anos atrás, onde o tema era tratado de forma muito tímida e onde quase não se viam líderes pregando sobre restauração familiar.

Enxergando o grande contingente de pessoas e o desespero delas, foi aí que surgiu uma explosão de líderes que passaram a investir nesse assunto. É claro que todos trazem o mesmo discurso pronto de que “DEUS vai restaurar o seu casamento”. Mas que, para isso, o cônjuge, sofrido e abandonado, vai precisar ser fiel. Fiel em quê? Aqui é que reside o perigo. Fiel a todos os conselhos humanos que o líder passará como receita pronta. O principal deles: SEJA FIEL NOS DÍZIMOS E OFERTAS.

O mal encoberto entra exatamente aqui. Porque essa é uma expressão consagrada na história do desenvolvimento das denominações religiosas. Quem nunca a ouviu? Nessa história, observamos que devolver os 10% à denominação foi o principal pilar doutrinário explorado pelas lideranças. Quem não cumpria com esse dever religioso, era mal visto e recebia a culpa por algum eventual fracasso de sua caminhada: “SABE POR QUE ISSO ESTÁ ACONTECENDO COM VOCÊ? PORQUE VOCÊ NÃO É FIEL NOS DÍZIMOS E OFERTAS”. E nunca mais essa pessoa teria um sono tranquilo porque ela passava acreditar nessas palavras como verdade. Nós já sabemos o resultado dessa cultura religiosa alienante: as lideranças religiosas começaram a enriquecer e a estrondosa maioria dos fiéis não alcançou o que tanto desejava.

Hoje, esse discurso, que relaciona fé e dinheiro, está muito presente nos ministérios de restauração familiar, e ganha força quando aparece uma e outra pessoa dando o testemunho de que DEUS restaurou o casamento dela por meio daquele líder ou daquela denominação.

Uma coisa bem que ficar bem clara a todos os cristãos: NADA QUE SE RELACIONA À FÉ, A UMA CONQUISTA ESPIRITUAL, DEVE SER EVOCADA SOB O PRISMA DE UMA OBEDIÊNCIA A DEVOLVER DINHEIRO PARA UM LÍDER OU ALGUMA DENOMINAÇÃO. Nada com DEUS, com o Espírito Santo e com JESUS CRISTO deve se relacionar com dinheiro. O seu dinheiro você usa para socorrer uma pessoa ou família necessitada, que está com fome, com sede, com frio, sem cobertor.

Portanto, saiba: que se alguém disser a você que seu casamento será restaurado, se você for fiel aos dízimos e ofertas, desapareça. Certamente, essa pessoa, que se aproveitar de sua fragilidade, e fazer você de um negócio econômico e lucrativo.

“E, por avareza, farão de vós NEGÓCIO com palavras fingidas; sobre os quais, já de largo tempo, não será tardia a sentença E A SUA PERDIÇÃO NÃO DORMITA” (2 Pedro 2:3).

Se você não tem discernimento, o melhor é orar. Ore a DEUS, clame a ELE e o SENHOR não deixará sua visão escurecida. Não coloque a busca desesperada na Internet no lugar da oração.

No AMOR de DEUS em CRISTO JESUS,


FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça”; “Antes que a Luz do Sol escureça” e da coleção “Destrua o divórcio antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua o adultério antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua a insubmissão antes que ela destrua seu casamento”. Também é pastor e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo.

Igreja Virtual de Nosso SENHOR JESUS CRISTO

A tal modernidade acabou de fundar a “Igreja Virtual do Nosso SENHOR JESUS CRISTO” (Igreja Virtual do NSJC). O endereço dela é universal: Facebooks, grupos de WhatsApp, Instagram e outras redes sociais que ainda desconheço.

Só nos primeiros anos de vida, atraiu milhares (ou quem sabe bilhares) de fiéis seguidores. Tem uma aparência esplendorosa, apesar de não ter templo físico, de concreto. O seu templo, como o próprio nome diz, é virtual, onde cada um o molda a seu jeito. Também não há padres nem pastores cantando, pregando, preparando o povo para o fatídico momento da cobrança dos dízimos e das ofertas, com um discurso e um fundo musical, que fazem até defunto se emocionar. A ajuda ao necessitado vem somente através de imagens postadas nas páginas ou grupos. A maior expressão de amor também é publicar imagens lindas de amor, com versículos que falam de amor. É tanto amor de um verdadeiro AMOR tão distante...

Quando, de repente, aparece um padre ou um pastor pregando, é em uma das ministrações que foram gravadas pelos pobres remanescentes frequentadores de templos, que ainda guardam no coração a esperança de verem os “cristãos virtuais” de volta aos lugares deles. Ou, aqueles pregadores que aparecem repentinamente diante das câmeras, ao vivo, vestidos elegantemente e com um perfume que só eles conseguem sentir.

Na Igreja Virtual do NSJC ninguém se abraça calorosamente, ninguém se cumprimenta com ósculo santo, ninguém visita as portas, nem as dores, nem os sofrimentos do outro. Não há o colo quente, nem a divisão do pão, das propriedades; muito menos o momento de oração diária onde todos se abraçam. São pessoas que se encontram todos os dias sem se veem. Comunicam-se sem o exercício oral da língua. Tudo é feito por imagens, códigos, mensagens decifradas, digitadas e imagens previamente criadas sabe-se lá por quem. Na Igreja Virtual do NSJC todos se cumprimentam com a frieza de um cadáver, apesar das flores coloridas que estampam as imagens de bom dia, boa tarde e boa noite.

Os irmãos na fé mal sabem o endereço exato dos outros. E a Paz de CRISTO muitas vezes é ofuscada por publicações desenfreadas de rostinhos bonitinhos, seios, bumbuns, músculos, corpos quase perfeitos a espera de elogios para massagear o EGO e, quem sabe, diminuir as dores de uma realidade tão difícil de suportar. O envolvimento com essa “igreja” é tanta que muitas vezes se esquece de preparar a comida dos filhos, a arrumação da casa e tirar a poeira da Bíblia de papel, aberta incansavelmente no Salmo 23 sobre a cabeceira.

Na Igreja Virtual do NSJC, aos olhos de cada um, todos são santos, puros, anjos, e quase perto do céu. Padre e pastor não pecam porque se apresentam com suas imagens digitadas de verdadeiros super-heróis. Ninguém nunca sentiu desejo sexual avassalador pelo seu semelhante; nem mentiu, nem traiu; muito menos pensou algo impróprio sobre ele. E, se isso ou qualquer outro tipo de pecado tivesse ocorrido e sido descoberto pelos irmãos virtuais, logo o pecador seria vituperado, escarnecido, maltratado, motivo de zombaria, fofocas, apedrejado, deletado, excluído e coisa parecida. Basta uma teclada e está resolvido o problema desse “irmão”. Porque a Igreja Virtual de NSJC quando quer, é Graça de DEUS, mas também quando quer, vive na lei, no “olho por olho, dente por dente”. Nesse aspecto ela é igualzinha à igreja-templo físico. Tudo vai depender de como está a temperatura do coração e do computador.

Por ser perfeita aos seus próprios olhos, ninguém vê os defeitos dela, assim como não pode desfrutar do momento único e ímpar de cair e poder se levantar com o semelhante (momento este que só o verdadeiro relacionamento produz); de contemplar as lágrimas de arrependimento no rosto daquele a quem se chama de irmão; de amadurecer como pessoa e espiritualmente.

Na Igreja Virtual do NSJC ninguém se relaciona verdadeiramente (como cabe a quem é irmão na fé de verdade). E nisto, ela e a igreja-templo físico são iguais: guardam a marca da frieza e do distanciamento (Porque se ver e se abraçar uma, duas ou três vezes na semana não é se relacionar como DEUS quer). E se DEUS não habita em templos reais, físicos, de concreto, feitos por mãos de homens, como disseram os escritores bíblicos (Atos 7:48 e 17:24), quanto mais em templos virtuais....

A Igreja de Nosso SENHOR JESUS CRISTO precisa muito mais de abraços físicos uma ou duas vezes por semana. Ela precisa de abraços diários na alma, de lágrimas que escorrem em um rosto e vão se alojar no coração alheio. Essa Igreja não precisa de debates doutrinários, recheados de filosofias e teologias, que em nada acrescentam. Ela só precisa do Espírito Santo de DEUS, que vai ajudá-la a discernir o que é do Céu e o que não é.

A Igreja Virtual de NSJC usa tanto o Nome de DEUS que, se isso fosse verdade em suas vidas, estariam todos já no Céu.

Se pararmos para analisar friamente, a Igreja Virtual do NSJC é a maior destruidora da verdadeira IGREJA, porque rouba o tempo desta de estar em comunhão diária com o Seu Salvador e os seus irmãos.

Ah, como sinto inveja dos irmãos da igreja de Atos, e dos demais residentes em Roma, Corinto, Galácia, Éfeso, Filipo, Colosso e Tessalônica, quando leio sobre eles no Novo Testamento! A completa falta do virtualismo tecnológico e dos templos físicos os tornavam irmãos na essência e na acepção da palavra. E mesmo com os seus defeitos, rugas e descontentamentos, nenhum desistia do outro e se aprendia a amar na pureza e na simplicidade de como JESUS os ensinara.

Que o SENHOR DEUS tenha misericórdia de mim e me ajude a caminhar para o Reino de Sua Glória!

No AMOR DE DEUS,

FERNANDO CÉSAR – Escritor, autor dos livros “Não Mude de religião: mude de vida!”, “Pódio da Graça”; “Antes que a Luz do Sol escureça” e da coleção “Destrua o divórcio antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua o adultério antes que ele destrua seu casamento”, “Destrua a insubmissão antes que ela destrua seu casamento”. Também é pastor e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo.
 

© - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré